A lista de leituras que deve fazer a um escritor do século xix para formar – Librópatas

 

Eu acho que eu poderia continuar a escrever se eu me casar…

As duas profissões não são necessariamente exclusivas.

Esta frase é falada no final do romance, o protagonista do Papaíto pernas longas, que Jean Webster publicado pela primeira vez em 1912. Este é um jovem de diciesiete-year-old chamada Judy (Jerusha Abbott) com uma grande personalidade, entusiasta, apaixonado pela leitura e que pretende dedicar-se à escrita. Judy viveu e cresceu em um orfanato, mas, como já ultrapassou a idade máxima de permanência, é dedicada a ajudar nas tarefas diárias de lavar, pentear e vestir os outros noventa e sete crianças que, como ela, estão hospedados lá.

Um dia recebe a visita de um dos protetores da instituição que insiste em anonimato e decide pagar os estudos para Judy, em troca de que lhe conte a sua evolução através de uma carta mensal que ele nunca respondeu. Esta informação unilateral Judy nos mostra o seu progresso em um mundo novo para ela: a universidade, o contato com jovens de sua idade, as suas descobertas no campo da literatura, estudos e outras experiências. Mais tarde, vemos como Judy escreve seus primeiros contos vindo a ganhar dinheiro por isso, de concluir seus estudos e de saber quem é seu benfeitor.

Em uma das cartas, Judy lamenta ignorando alguns dos autores e não de ler uma série de livros que ela diz que são essenciais na educação básica de cada criança fala inglês de seu tempo, o século xix. Os livros que Judy está disposto a ler para completar a sua formação são:

  • Contos da Mãe Ganso (ou Ganso), de Charles Perrault.
  • David Copperfield, de Charles Dickens.
  • Ivanhoe, de Walter Scott.
  • Cinderela. Na versão dos irmãos Grimm ou de Charles Perrault.
  • Barba azul, de Charles Perrault.
  • Robinson Crusoe, de Daniel Defoe.
  • Jane Eyre, De Charlotte Brönte.
  • Aventuras de Alice no país das Maravilhas, de Lewis Carroll.
  • Além disso, Judy afirma não saber de autores tão icônico como o poeta Percy B. Shelley (marido da autora de Frankenstein, de Mary Shelley), o escritor Robert Louis Stevenson e até mesmo para o escritor, que escreveu sob o pseudônimo masculino de George Elliot.

    Por outro lado, chama a atenção que este jovem decide investir o pouco dinheiro que você receberá com a aquisição de um segredo do livro as mulheres pouco, Louise may Alcott, por medo de que o rótulo de “rara”. E não é para menos. Uma das editoras que publicaram recentemente a história de Judy marcar os livros de chick-lit ou livros do gênero romântico, onde o protagonista é sempre uma mulher jovem e um lutador que tenta fazer o seu caminho através de seus próprios meios. É por isso que a citação extraída do livro, é um pouco contraditória em parte, mas tenha em mente que Judy consideram o casamento uma profissão e não uma opção de vida.

    Estopa literária para o dia dos Namorados – Librópatas

    Não, a ideia não é nossa. E não, ele não é exatamente um aplicativo para encontrar um parceiro literário. Mas, mesmo assim, essas coisas sempre acabam pareciéndonos divertido. E sim, talvez nós deve explicar-nos melhor.

    Como todos sabem (porque todo mundo vai estar falando sobre isso e todas as marcas tentaram o vendedor já um monte de coisas na propósito do dia) hoje é dia dos Namorados, dia dos Namorados, este festival é tão autêntica e profunda professar amor eterno… (desculpe dizer-lhe que, até ao final de 40 anos, um jornalista o que ele propôs, e de Galerias Preciados, decidiu que era uma grande oportunidade de fazer dinheiro). O dia, além de consumir e comprar, com a desculpa de amor, é também uma desculpa perfeita para a publicação de artigos de todos os tipos tirado proveito da força da palavra-chave da moda na mídia e o lançamento de iniciativas de todos os tipos, aproveitando o boom do dia.

    E entre essas iniciativas, há sempre alguns literária, que, naturalmente, que nós amamos (desculpas para ler queremos todos eles). Nubico, a leitura portão na nuvem, lançou o que eles têm chamado de Estopa literária, que é uma espécie de infográfico sobre o que deveria ser a sua outra metade, dependendo dos seus gostos literários. O que gostaríamos de ter animado muito mais do que teria feito um app com um algoritmo que é ótimo para encontrar livros? Talvez (se você fizer isso, esperamos aparecer nos agradecimentos, Nubico), mas nós insistimos livros e desculpas para a leitura, somos a pena.

    Os perfis foram propostas?

    Mais uma opção para os leitores “enamoradizos” (as aspas são os nomes dos perfis que foram diretamente que lhes é proposto, que, sim, o texto também ver um pouco clichê, mas bom)

    imagem14-02-2018-12-02-34

    Para o “imprevisível” (aqueles que se casam com os romances)

    imagem14-02-2018-12-02-35

    Para aqueles interessados em “bio-estilo”

    imagem14-02-2018-12-02-37

    Para os “geeks”

    imagem14-02-2018-12-02-39

    Para o “mainstream” (que dão a eles um romance histórico e best-sellers)

    imagem14-02-2018-12-02-41

     

    6 livros para ler durante o Carnaval – Librópatas

    Em muitos lugares, as ruas estão cheias de fantasias neste fim de semana, enquanto em outros, o grande dia da festa vai ser tarde de terça-feira. Seja como for, nos últimos dias (e até o sepultamento de cada um de nós toque na sua cidade, vila ou aldeia) toque para comemorar o Carnaval. E como nada que goste mais do que olhar para os livros, buscamos aqueles que podem ser diretamente ligados a essas datas. Aqui está uma lista de livros de Carnaval, que você pode concluir a lista com o texto mais crônica Bécquer escreveu sobre o tema .

    1. o Arcipreste da.

    O mais velho dos títulos incluídos na lista, sem dúvida. Entre os conteúdos que compõem a narração inclui uma batalha entre don Carnal e dona Quaresma.

    de Goethe

    A edição que você tem feito na Alba reproduz a vinte e ilustrações a cores a partir do original de Georg Melchior Kraus. Goethe vai para o carnaval romano e deixar um exemplo de literatura de viagens.

    3. de Bretón de los Herreros

    Um baile de máscaras do Carnaval é a fase na qual você está movendo os personagens desta obra de teatro de Bretón de los Herreros. O dramaturgo é um daqueles autores muito popular (e muito prolífico!) do século xix de nós nos lembramos pouco.

    4. , Ramón María del Valle-Inclán

    É o título geral para a trilogia de teatro composto por las galas do falecido, A filha do Capitão, e Os chifres de Don Gritante. E é… Pode ser que a única coisa que o carnaval é o título, mas nós incluí-lo também na lista. Lemos que ele não é!

    5. , por Isak Dinesen

    Uma coleção de histórias curtas por Dinesen em que um deles é intitulado apenas de Carnaval.

    6. Ana María Matute

    Ele não é o mais popular dos romances de bebida alcoólica, mas começa na noite de Carnaval e, por isso, temos uma desculpa perfeita para a ler esses dias.

    Foto Pixabay

    Como perdido na tradução? 8 livros com o título em espanhol muito distante do original – Librópatas

    Os livros que lemos nos permitir viajar o mundo sentado confortavelmente em nosso lugar preferido para leitura ou enquanto vai na minha maneira de trabalhar em transportes públicos. Mas eles, os livros, e também de viagens e para os leitores em outros lugares pode beneficiar as letras escritas em outras linguagens, os tradutores têm a última palavra. E aqui surge um conflito.

    As traduções dos títulos tendem a ser de vários tipos: o literal ou completamente fiel ao original (dança em Le Bal, de Irène Némirovsky), difusa (O ruído e a fúria O som e a fúria, de William Faulkner) e a livre que pouco têm a ver com o que pode ser encontrado no idioma de origem. Por vezes, estas alterações podem melhorar o primeiro contato com o livro, mas em outros, ele corre o risco de estragá-lo completamente.

    Estamos conscientes de que um bom leitor tem suas próprias estratégias para encontrar as melhores leituras, mas, muitas vezes, nos deixamos ser levados por outros fatores externos, tais como a qualidade da edição, número de páginas (quantos mais, melhor!), a marca, a imagem da frente e, por que não? o título.

    O título é parte da história e pertence ao autor, de modo que deve ser intocável, mas quando o trabalho faz com que o salto para outro país, muitas vezes, parece quebrar a cadeia e não o próprio autor é capaz de reconhecer o seu livro. Isso acontece com obras de todos os tipos, desde o romântico, a delinquência juvenil, a polícia de auto-ajuda, e as razões podem ser muito variadas. Talvez eles acreditam que assim vendem mais, ou que se encaixa muito melhor com as peculiaridades do contexto sócio-cultural do novo lugar.

    Visto de perto, não parece uma questão tão grave, mas o leitor tem todo o direito de sentir-se traído em uma forma, porque ele brinca com nossas expectativas dos leitores. Também põem à prova nossa disposição para aperfeiçoar e/ou estudo de línguas, para atender a leitura da obra na versão original, porque se você tem sido capaz de “manipular” algo tão básico como o título, podemos confiar que você tem sido fiel ao conteúdo?

    Alguns destes casos são:

    1. Irène, Pierre Lemaitre, conta a história de uma mulher grávida e casada com um comandante que a polícia considere o principal suspeito de uma série de crimes que parecem homenagear as melhores romances de negros de todos os tempos. A principal intenção deste escritor francês foi titularla Travail soigné, que em nossa língua é algo como um Trabalho limpo ou Trabalho de cuidados. Sim, a versão em espanhol nos faz pensar que Irène, mais do que seu marido, tem muito a ver com os eventos e o resultado.

    2. A metamorfose, de Franz Kafka ou a história do pano comerciante que acorda transformado em um repelente de insetos que sua família não tolera, ursos título original em alemão: Die Verwandlung, que em inglês seria A transformação. O escritor argentino Jorge Luis Borges propôs em seu tempo, para ser fiel a tradução literal do título, mas não teve sucesso.

    3. Festa, de Ernest Hemingway, narra os conflitos que possam surgir entre dois meninos e uma menina, de origem americana, mas residente em Paris e viajar juntos para Pamplona no festival de San Fermin. Este livro, publicado no ano de 1926, com o título O Sol Também se levanta, ou O sol também se levanta, tem pouco a ver com a tradução em espanhol, onde você não fala de nenhum sol. Além disso, há pouco a comemorar, dada a violência, a tensão e o desespero, que caracteriza a relação dos três rapazes.

    4. Mais Platão e menos Prozac, de Lou Marinoff, foi um sucesso de vendas, e talvez o pioneiro da busca da felicidade e de novos horizontes em conflito cotidiano através de textos filosóficos e não tanto em guias ou manuais de auto-ajuda. O título original é: Platão, não Prozac, que, por sua vez, resulta: Platão, não Prozac. Isto é, o autor se destina a eliminar completamente o segundo mandato e não reduzir o seu uso. O que é certo é que este livro está estruturado em quatro partes e escrito por um professor do departamento de Filosofia no City College de Nova York, conseguiu vender milhares de cópias em todo o mundo.

    5. Harry Potter and the half blood prince, J. K. Rowling, não tem qualquer semelhança com o título original: Harry Potter and the Half-Blood Prince, o que você prefere: Harry Potter and the half blood Prince. Em ambos os casos temos um príncipe, mas o título em inglês é que nos move é envolto em mistério, quando o que o autor quis destacar foi a sua condição de mestiço, que não era mistério para desvendar, ou muito menos. Posições para escolher nós não entender a mudança em um momento em que você vai querer aumentar o realismo e livre de tabus, e os tons de cor-de-rosa para a literatura para crianças e jovens.

    6. Se você não está acordado, de Lauren Oliver, também, foi um livro de sucesso de vendas e continua a reeditándose, embora ele se move para longe do título original: Antes que eu cair, isto é, Antes de ele cair. A jovem Samantha Kingston é forçado a despertar sete vezes no mesmo dia de sua morte devido a um fatídico acidente. Ele não é o mesmo que contar uma história, enquanto nós ainda estão dormindo e talvez não vamos voltar para nunca mais acordar novamente, ou ter algo antes de nossa morte.

    7. A biblioteca de novas oportunidades, Anjali Banarjee, tem na sua versão original, um título que parece muito infeliz: Assombrando Jasmim, que poderia ser traduzido como Perseguição Jasmim ou Embrujando para Jasmine. O livro centra-se em Jasmine, uma mulher de empresário que é forçado a deixar ir de seu estressante e competitivo vida para entrar na frente da biblioteca, que é gerenciada por sua tia quando você precisa viajar para a Índia, por motivos de saúde.

    8. A mulher do papel, Rabih Alameddine, seria mais fiel ao original, se você titulase Uma mulher desnecessárias (Uma Desnecessária Mulher), mas optamos por dar uma outra abordagem literária que chegamos a compreender, depois de terminar o livro. O personagem principal é Aaliya, uma mulher de cerca de sessenta anos de idade, e ele fala de sua vida na difícil para Beirute de sua juventude, quando sua vida girava em torno da leitura e traduções literárias com as bombas e a guerra como pano de fundo. Se nós refletirmos um pouco encontramos uma referência clara para o papel são dotados de vida que sobrevive entre páginas e letras impressas para encontrar o bem da vida que foi negado. A partir deste ponto de vista, talvez a tradução parece-nos mais sábios e conciliador, e que faz de tudo.

    Licenciamento Detran – tudo o que você precisa saber

    O Detran SC tem várias obrigatoriedades para com os condutores e os condutores também devem ter atenção com o órgão para seguir as leis de trânsito e garantir a segurança de todos na via, ruas e calçadas. Uma delas é o Licenciamento. Veja como funciona o Licenciamento em Santa Catarina, para que ele serve, qual sua importância e o que acontece caso essa obrigatoriedade não esteja em dia.
    Você sabia que o Licenciamento detran SC é tão importante que pode fazer com que seu carro seja apreendido caso esteja atrasado? Ele é uma taxa cobrada anualmente que garante que apenas os veículos com as mínimas condições de segurança trafeguem pelas ruas. Isso porque carros que não sigam as leis ambientais e de segurança podem por em risco a vida dos motoristas, passageiros, pedestres e terceiros.


    Na teoria o Licenciamento SC não deveria gerar lucro nenhum para o governo. A taxa deveria apenas cobrir os gastos com o procedimento para a emissão dos documentos e também para que houvesse uma inspeção nos veículos. Porém, acontece que na prática não é bem assim que funciona. Na maioria dos lugares essa inspeção não ocorre e o valor passa a ser apenas uma nova taxa cobrada que gera dinheiro aos cofres públicos.
    Só é possível fazer o Licenciamento caso todos os outros documentos do veículo estejam em dia. Você precisa estar com todas as multas quitadas, deve já ter pago as parcelas do seu IPVA e o seguro DPVAT. Não dá para fazer o Licenciamento com nenhuma pendência. Por isso é sempre importante manter tudo em dia.
    Caso contrário se você for pego em uma blitz e estiver com pendências e o Licenciamento atrasado, você precisará quitar todas as dívidas de uma única vez e ainda pagar a diária em que seu veículo ficou no pátio do Detran.

    Rosário Weiss, ilustrador e pintor romântico para recuperar – Librópatas

    Quando a Biblioteca Nacional enviados com o fechamento do ano, as previsões de exposições para 2018 para a mídia, um nome que chamou a atenção na elaboração de Librópatas. Foi Rosario Weiss, o ilustrador do período Romântico, que estavam indo para dedicar uma exposição. E foi um ilustrador de que nós não sabia de nada, o que significava que a descoberta foi ainda mais interessante.

    Quando nos aproximamos da data de abertura da exposição, com o convite de imprensa para o anúncio de abertura, a figura de Weiss foi sendo mais claro. Weiss, talvez, ou talvez não, filha ilegítima de Goya, parecia uma desculpa perfeita para ir para Madrid, apenas para ver o que queríamos mostrar. Nós não fomos para Madrid ainda (embora a exposição está aberta até 22 de abril, então ainda temos tempo), mas a febre Weiss já começamos.

    Rosário Weiss é uma dessas mulheres, com um fascinante biografia que deixou o Romantismo na Espanha (sim, que pensar no Romantismo, movimento literário que, de alguma forma, dar-nos uma ligeira preguiça, mas que, quando se investiga quem os viveu e trabalhou, no momento, faz-lhe encontrar as biografias muito interessantes e, muitas vezes, muito negligenciada). Além de que é uma criança, ou não, de Goya, que tem sido o ponto de periódicos de interesse que tem sido demonstrado sobre ele, Weiss merece a nossa atenção para si mesma. Era um artista, era capaz de viver de sua arte (segurando a sua mãe também, com os seus rendimentos), e acabou como professor de desenho para a rainha Isabel II e sua irmã, a infanta d. Luisa Fernanda.

    É claro que, quando você ler um casal de destaques sobre a sua vida (que é basicamente o que você acaba fazendo quando você receber uma chamada, prima tão promissora), a primeira coisa que você quer é chegar a conhecê-la. No meu caso, eu pulei em agarrou as livrarias on-line em busca de uma biografia do Rosario Weiss. Devo dizer que a grande biografia deste ilustrador e pintor ainda está para a escrita (e a esperança de que alguém vai fazer isso em breve).

    O que eu achei na primeira pesquisa foram dois livros: La jeune batarde et la modernite. Goya et La laitiere de Bordeaux, Guadalupe Echevarria e que é, sem a disponibilidade de cópias em todas as livrarias on-line que eu tentei em que eu encontrei e que, portanto, é deixado como um livro para ler, e Rosario Weiss, a afilhada de Goya, Jaime Esaín Escobar e prometeu ser uma biografia muito documentado (que é o que ele disse no verso da capa) no Weiss. Na realidade, a leitura deste último texto foi muito decepcionante, como a biografia de Weiss está mais concentrado em Goya, que em outra coisa e não tem grande profundidade ou ao longo da vida de Weiss, ou sobre a experiência de ser mulher pintor naquele momento histórico. Mesmo assim, este texto irá ser – com Goya e as mulheres, Natacha Seseña, o outro livro que eu comprei rápido e rápido em uma biblioteca de idade para tentar aprender mais de Weiss – uma das principais fontes deste artigo, no qual dados biográficos estão em causa. Claro, eu também olhei para Weiss na Hemeroteca Digital da biblioteca nacional, mas a sua presença nos meios de comunicação de seu tempo que se localiza o finder não é grande coisa.

    Leocádia Zorrilla, um moderno do século xix

    imagem10-02-2018-12-02-37Para contar a história de Rosário Weiss precisamos voltar antes para sua mãe. Leocádia Zorrilla ficou órfão jovem e foi criado por parentes. Um desses parentes foi Gumersinda Goicoechea, que estava a tornar-filha-de-lei de Goya, e, graças a Leocádia Zorrilla iria entrar para o círculo do pintor. Zorrilla também dispõe de uma biografia bastante interessante, uma dessas mulheres que parecem modernos para o início do século xix e o final do século XVIII (mas quando você lê sobre as mulheres da época vai ver que ele é um produto também de tempo).

    Em 1807 Zorrilla casou-se com Isidoro Weiss, filho de um joalheiro em Madrid. A noiva trouxe para o casamento, um dote fabuloso dote que a família Weiss utilizado para tentar reanimar o negócio da família, sem sucesso. Alguns anos após o casamento, eles tiveram dois filhos, separou muito poucos maus modos (e Zorrilla, certamente, não viu nada do dinheiro que ela havia trazido para o casamento). Isso foi em 1812, quando ele dividiu os filhos tinham entre os dois.

    Zorrilla ficou com o pequeno, William. Em 1814, nasceria a Maria do Rosário, a pequena filha e legalmente, filha de Weiss. O que foi? Houve uma aproximação entre o casamento ou é Rosário, filha de outro pai? O que é a filha de Goya, como alguns especialistas especulam?

    Após a separação de Weiss, Leocádia Zorrilla passado dificuldades econômicas. Na verdade, em 1814, veio para pedir uma ajuda para o ser em estado de miséria. O que aconteceu no restante da década, é uma das lacunas na biografia do Rosario Weiss, embora no início da década seguinte, você já pode colocar sua mãe no ambiente direto de Goya. O pintor viveu na Quinta del Sordo, em Madrid, e Leocádia Zorrilla fiz também. Como tantas outras mulheres que se tornaram más relações em que o tempo (e você só tem de ler alguns romances ingleses do tempo para encontrá-los, como o ruído de fundo), ele acabou indo morar com um membro da família, ainda que indiretamente, e assumindo tarefas na casa da família que, neste caso, uma espécie de governanta. E, anos mais tarde, Zorrilla seria o parceiro do pintor.

    Leocádia Zorrilla era uma mulher independente e liberal, o que terá um impacto direto sobre a vida e a educação de Rosário Weiss. Por um lado, tudo isso faz você pensar que você recebeu uma educação mais abrangente do que os que foram uma parte muito importante de seus contemporâneos, ou pelo menos mais aberto. Por outro lado, o compromisso liberal Zorrilla feita acabamento indo para o exílio quando Rosario Weiss era uma menina. Zorrilla e seus dois filhos, acompanhar Goya no exílio, em Bordeaux.

    A formação artística do Rosario Weiss

    imagem10-02-2018-12-02-38

    Goya foi o primeiro mestre de Weiss de desenho e pintura. Na verdade, preservados os desenhos nesta fase, quando a menina Rosário copiar os exemplos que Goya criado para ela. O pintor – que também tinha um relacionamento próximo com a menina, que ele chamou Minha Joaninha – que não era seu único professor.

    Weiss era um estudante , que irá influenciar poderosamente em seu estilo e que vai trazer influências do neoclássico. Os especialistas localizado agora Weiss no Romantismo, mas um Romantismo com influências de sua formação neo-clássico francês. Na França, além disso, o artista também vai descobrir litografia.

    A vida no exílio, a família Weiss-Zorrilla não foi fácil, pois o pintor morreu em 1828, deixando-os sem qualquer apoio financeiro. Ou Leocádia Zorrilla e seus filhos estavam na vontade do pintor e teve de abandonar a casa, uma vez que a família tomou as rédeas da situação. Zorrilla começou a puxar contatos para pedir alguma melhora na sua situação e solicitar uma pensão do governo francês como um exilado, que eles viver até que a mudança política em Espanha no início dos anos 30 do século xix, que lhes permite voltar para Madrid.

    O artista profissional

    -1.jpeg” alt=”imagem10-02-2018-12-02-38″ width=”300″ height=”219″ />Mas a vida, em Madrid, também não era fácil economicamente e Rosário Weiss, que até então tinha 19 anos de idade, ele começa a usar seu talento para servir económico termina. O artista, em seguida, torna-se um profissional, alguém que vive o que pinta e desenha. Seu primeiro biógrafo, que, se Weiss não teríamos que lutar para sobreviver, em seguida, com a sua arte, poderia ter desenvolvido a sua experiência artística e a sua formação e se tornar um pintor de primeiro nível. Alerta também de como as mulheres artistas são geralmente consideradas mais injusta, e como este faz com que o veja de uma maneira muito mais profunda.

    Weiss faz ilustrações, desenhos e retratos a lápis do mundo cultural e da burguesia da época. E, acima de tudo, em que o primeiro tempo torna-se um copista. “Não seria fácil viver da pintura, menos ser uma mulher”, de Carlos Sánchez Díez, a curadora da exposição, que agora está sendo dedicado na Biblioteca Nacional. Cópias de pinturas famosas foram um mercado dinâmico, no tempo e Weiss é dedicado a ele, cópia de parte de uma coleção particular, na Academia de San Fernando e o Museu do Prado. “As cópias irá gerar receitas, porque a demanda estava lá, quando ela pede permissão para o regente Maria Cristina, para ir para baixo algumas das pinturas do Museu do Prado, a fim de copiá-los -porque era míope e, em seguida, o Museu teve suas paredes quase completo do chão ao teto-, defende que ele é o único meio que tem para continuar a progredir como pintor e a tornarem-se economicamente sustentável”, acrescentou Sánchez Díez.

    E, talvez, neste campo Weiss cruzou as linhas com se preocupa com o lucro. Qual foi o artista também uma falsificadora profissional? A biografia de Jaime Esaín Escobar simplesmente descartar que foi preso em coisas obscuras, mas rapidamente salta para outra coisa. Natacha Seseña dá mais dados, mas não oferece muito. Um restaurador deu telas de idade para o cranking as cópias e poderia dar-lhe o ar velho. Talvez, especula Seseña, o restaurateur vendeu-os, em seguida, como de arte antiga (ou talvez não…). O único fato factível em relação a este potencial de carreira como uma falsificadora é que, depois de fazer um par de cópias, ele não foi readmitido como um copista na colecção privada, em que ele havia trabalhado.

    imagem10-02-2018-12-02-38Mas não importa, essa reviravolta por causa de sua carreira já estava no bom caminho, em que a profissionalização está em causa. O artista participa em exposições em um ano, vai para formar parte do Liceu e consegue ser nomeado Académico de San Fernando.

    O que era de mérito e não com um título honorário. Talvez, o momento de pico neste ascensão em sua carreira é que ele tornou-se professor de desenho de Elizabeth II, uma posição para a qual ela própria se coloca com uma letra quando ele é aberto para uma nova contratação o cargo de professor de desenho e para que é selecionado.

    É o episódio final deste interessante, mas breve biografia, porque , em 1843, quando ele tinha apenas 28 anos de idade, morre. No primeiro texto esboço biográfico publicado nessa data é lançar a culpa para o susto tomado no meio do tumulto de 43 anos, quando ele teve que passar pelas ruas com os braços erguidos para ir para o trabalho. Fontes contemporâneas, no entanto, indicam que ele morreu de cólera, uma delas recorrente doença do século xix).

    E de lá veio mais cinzento da história da arte, no que eles têm enterrado apenas para muitas mulheres artistas. Seus trabalhos apareceram nos anos 20 sobre os discípulos de Goya, pelo menos no que o jornal de notas em que a história está em causa, mas o seu nome é deixado sem muito mais significado.

    Ora, as obras foram recuperadas e em grande forma em um show que “reivindicou sua faceta como um criador”, como Carlos Sánchez Díez, a curadora da exposição, de um programa de RNE. A exposição concentra-se em sua auto artista e não em sua auto-biografia e em que o importante é que você conheça o seu trabalho e vai colocar em valor e não tanto a sua biografia como uma das mulheres no ambiente de Goya. Rosário Weiss afirmou o seu papel no mundo.

    Imagens| Cortesia BNE a menos que indicado de
    1. Retrato do Rosario Weiss
    2. Retrato de Leocádia Zorrilla, por Goya /Wikimedia Commons
    3. Uma ilustração da R. Weiss
    4. Mulher no jardim, R. Weiss
    5. O mítico retrato de Larra, que é o trabalho de Rosário Weiss

    Supermujeres, superinventoras: recuperação de mulheres ciência – Librópatas

    imagem09-02-2018-13-02-58

    No próximo dia 11 é comemorado o Dia Internacional das Mulheres e raparigas na Ciência, um dia, que ajuda a aumentar a visibilidade do papel das mulheres na ciência (agora e no passado, as mulheres científica também tem havido antes) e para encorajar as meninas a se aproximar mais da ciência. No final, como você se lembra, no dia, “hoje, as mulheres e meninas enfrentam barreiras de vários tipos, às vezes muito sutis, o que torna difícil a sua presença e a ciência”. Há muito trabalho a fazer.

    E, nesse trabalho, divulgando o trabalho das mulheres na ciência, livros populares, sempre ajuda. é uma das últimas novidades que vão chegar ao mercado mais ou menos no tempo para o dia. O livro tem por trás Sandra Uve, que realizou uma homenagem ilustrado em 90 cientistas e inventores de vários campos.

    Desde o pioneiro dos produtos de beleza de Elizabeth Arden ou o inventor de Kevlar Stephanie Kwolek (os dois protagonistas nas ilustrações acima) para cima , a primeira programadora e o protagonista da ilustração abaixo, e passando por muitas outras mulheres – muitas vezes desconhecidas e até mesmo inesperado – estão presentes no livro. É publicado pela Lunwerg e vai estar nas livrarias no próximo dia 20.

    imagem09-02-2018-13-02-59O livro começou no perfil do Instagram do autor, ilustrador e decidiu restaurar a diferentes mulheres do mundo da ciência e da tecnologia, através de ilustrações em aquarela e tinta.

    Do Instagram pulou para o mundo físico, primeiro com uma exposição itinerante pelo Barcelona conselho Provincial e agora com um livro. No livro, cada dupla página é dedicada a um único destes inventores e pesquisadores. A ilustração é acompanhada por uma breve biografia de dar um entendimento do que é que eles fizeram no mundo da ciência.

    E assim é entrelaçada biografias e obras mais conhecidas, como a cada vez mais bem lembrado papel de Hedy Lamarr em a invenção de comunicações sem fio, para outros mais deconocidas, como ele pode ser, por exemplo, o caso de Julie Newmar, a atriz que ficou famosa por fazer a mulher-gato na tv e acabou inventando suas calcinhas push-up, ou Josephine Cochran, o inventor da primeira máquina de lavar louça da história.

    O homem de preto, ou a visão crítica do casamento de Colombine – Librópatas

    Carmen de Burgos, Colombine, é uma dessas personalidades literárias que, basta ler um pouco sobre isso, você só pedindo para o que hoje conhecemos como pouco da sua pessoa, e sabemos tão pouco de sua biografia. É o tipo de personagem histórico que merece uma biografia, minisséries e aparecem em destaque nos livros de idioma do colégio. O que a minissérie não parece ocorrer no futuro próximo, e que os livros de idioma do colégio merecem um capítulo à parte, mas Colombine está estrelando nos últimos tempos uma série de lançamentos literários entre os editores.

    Assim, os leitores estão redescobrindo a esta mulher, um dos primeiros correspondentes de guerra na Espanha, um dos primeiros jornalistas profissionais e uma pioneira também no campo da literatura, do muito conhecido e influente na Espanha no início do século xx. Suas histórias já e um de seus curto romances acaba de ser reeditado pela UveBooks em uma edição com um certo toque de livro-objeto (um daqueles livros que são visualmente bonitos).

    “Nós realmente queríamos, porque seus contos e romances são cheios de força, eles são muito apaixonados e têm uma grande crítica social, mas dentro de nossas publicações inexpressivo na primeira a gente não sabia como travá-lo em uma poderosa forma”, explicou-nos por e-mail da editora, quando perguntamos por que eles decidiram recuperar a Colombine, e um de seus curto romances. O escritor é também o primeiro filme de uma nova coleção de V-os Livros, DeRescate”, dedicada a autores esquecidos, por questões de censura política, por ser mulher, por lidar com problemas que não são aprovadas pela igreja”, ressalta e acrescenta que “no caso de mulheres escritoras é muito grave, alguns deles até mesmo ao ponto de ter de assinar suas obras com o nome do marido”.

    A coleção de estreia-se com um romance que Colombine lida com um dos seus temas favoritos, o casamento fracassado e a situação de debilidade em que as mulheres foram para casar. Não só porque é que as mulheres perdem todos os seus direitos quando eles se casaram, como ele acontece a Elvira, a protagonista do romance, mas também realmente não sabe com quem vai casar em uma sociedade muito hipócrita entregue a um jogo de aparências.

    “É uma das nossas favoritas”, explicou de UveBooks sobre por que você escolheu esse título, “mas de conhecer um pouco sobre a biografia de Carmen de Burgos, foi o que encontramos de maior sucesso, em termos de tema e de extensão”. Elvira, como ele havia feito o próprio Colombine, você vai acabar sacrificando a sua posição social e seu infeliz casamento para ser capaz de viver de acordo com seus princípios e ser livre de um marido que é um lastro pesado.

    O romance é retomado em pequeno formato, que lembra ao seu tamanho do que o utilizado para a publicação de curto romances em edição de 100 anos atrás, na Espanha. “Em termos do tamanho da edição, estávamos procurando algo diferente, em parte, para diferenciar é e coleta, em parte, imitando um pouco o formato de Universal Coleção da editora Espasa e também abaixo a coleção caldeirão da editora Aguilar,” temos o objetivo do editor.

    Desbloquear o sexismo cotidiano – Librópatas

    Eu li o Sexismo cotidiano, Laura Bates, durante o Natal passado e fez várias viagens de trem. Na verdade, eu usei para todas as minhas leituras como um indicador para um daqueles bilhetes distância média de um gigante do tamanho de impressão de máquinas da estação. Mas se eu dizer tudo isso não é só pela história, mas que é por uma razão.

    Durante uma viagem de trem e ler o livro de Bates, uma das novidades deste inverno do Capitão Swing, acabei de analisar o comportamento dos meus vizinhos. Em uma de minhas viagens de volta, eu dividia o espaço com um homem, um homem que acabou consumindo todas as braço e invadindo o meu espaço pessoal (e você quase poderia adicionar um curso antes de o comportamento). Em outra de minhas viagens, o meu parceiro era uma senhora. Sentamo-nos quase ao mesmo tempo na estação de Santiago e, não, em nenhum momento eu senti a minha companheira, uma mulher que eu estava removendo espaço no meu lugar e você teve que dar o meu espaço.

    E o que é verdade é que eu nunca tinha visto a situação em termos de género, não até que eu estava lendo Bates e enfadándome pelo fato de que eu estava indo para chegar ao meu destino com rigidez do pescoço para não ser capaz de sentar-se confortavelmente, a menos que você entrar em uma guerra de guerrilha por alguns milímetros de braço, ou até mesmo recuperar parte de meu assento, que foi pego pelo cotovelo do meu vizinho (felizmente, meu companheiro de banco desci em uma estação antes). Como eu disse para um amigo, quando eu lhe disse todas estas reflexões, ligadas a minha leitura, de ficar sem espaço no trem, nestas condições, não é tão raro e que é, homens, lhes permitiram ser sempre feita com um maior espaço (e se não, é só sentar e ver como nós nos sentamos um pouco, e outros, quando saímos do metro), enquanto as mulheres são tem nos monotonously repetindo a idéia de “não perturbe”.

    imagem07-02-2018-12-02-28É difícil escrever sobre Laura Bates , sem apenas para salientar que este é um livro para ler e recomendo a todos. Na verdade, o que foi que eu fiz tudo isso de Natal, falando sobre esse livro, toda vez que ela veio a história e com a esperança de ser capaz de recomendar aos participantes em várias conversas que ouvi na passagem. Hoje briefing não foi também a mais que me fazem pensar sobre o que Bates conta e como conta e em como necessário seria que mais pessoas leiam livros como este.

    Laura Bates é um jornalista britânico que, um dia, abriu uma plataforma online em que as mulheres puderam contar suas experiências e encontrar em primeira mão, com o sexismo. Os testemunhos recolhidos na plataforma, acompanhado por dados estatísticos e resultados de vários estudos, é de que parte do autor, para criar este ensaio, que também tem um monte de notícia. A conclusão é de um texto muito necessário e de leitura mais que recomendada, em que destaca tudo o que ainda precisa ser feito e tudo o que ainda resta para conquistar, tanto que, ao ler, não pare de pensar que tudo o que é, infelizmente, bastante nebuloso.

    Os dados Bates são britânicos, mas que é pouco importa. Na realidade, com as coisas que conta, e com as experiências do dia-a-dia que nos diz que pode sentir-se identificado as mulheres de qualquer lugar. Isso é que é importante e o que é interessante sobre este livro (e o que faz com que nós deveríamos ter uma coleção de dar uma cópia a todos aqueles homens que, quando falamos sobre o feminismo e o machismo eles dizem que a primeira coisa é que não é necessário, e o segundo não é para tanto…) Bates não tenha escrito um tratado sobre o feminismo-teórica, mas que tem capturado os problemas da sociedade na qual não temos mais remédio do que viver. E é isso que torna este livro ainda mais recomendável.

    Olivia e penas, da magia e da natureza em um álbum ilustrado – Librópatas

    A magia existe e, quando a sua finalidade é a de fazer o bem, é muito mais fácil ter acesso a ele, de forma real e não tanto através de sonhos. Isso e muito mais é o que encontramos no livro de imagens Olivia e as penas de Susanna Isern, um psicólogo com uma extensa experiência na literatura infantil de qualidade e cheio de valores, e que acaba de publicar, Kirei.

    O livro conta a história de uma menina graças ao amor e o respeito que sente por natureza, estabelece uma relação muito especial com todos os seres que a rodeiam, a ponto de ser capaz de se comunicar com os animais. Um dia, os peixes do rio pediu ajuda porque eles precisam descer para o mar. Para fazer isso, é necessário Olivia para obter penas de aves. “Quanto mais você descobrir, melhor”, você diz. E que é quando ele começa tão agradável aventura. Algumas aves trabalhar juntos para si e para os outros, como é o caso com a águia, buscando a especialização e a coragem da menina.

    Olivia chega a acumular um monte de penas muito diversas, a ponto de pensar que não é possível ter mais, mas você está preocupado em não saber o que exatamente fazer com eles, para levar a cabo a missão. Mas muito em breve, ele encontrou a chave no céu estrelado e o vento é responsável pela prestação de serviços a etapa final. Esta aventura nos mostra uma menina na transição para a adolescência, que é definido como uma pessoa cheia de força, e que ama a liberdade, a independência, e que não tem medo de compromisso ou o sacrifício. O jogo, a imaginação e a ilusão são característicos da infância, mas Olivia não consentimento para deixá-los para trás e em seu caminho para a maturidade de você decidir fazer parte de sua identidade.

    É também uma história que nos permite aprender muito sobre aves, pois uma simples pena tem o poder de nos levar para um mundo maravilhoso. Um jogo metonímico, a parte e o todo, em que estamos quase sem perceber. Talvez porque todos os elementos que compõem o livro cativante pela sua simplicidade e bondade, além da facilidade de ser parte da natureza fabulada.

    As ilustrações são de Ester Gili, um ilustrador de madrid que gosta de experimentar com aquarela e que conseguiu dar vida ao protagonista. Texto e imagem são vinculados mais do que nunca, e em perfeita simbiose muito tem que ver as três mulheres que realizaram este projeto literário. Além de ilustrador e autor, o editor é Cristina Camarena, outra mulher, a quarta, se levarmos em conta também o protagonista, que, com este título, começando com a imagem de livros em capa dura. Portanto, podemos dizer que tem sido conhecido para captar a personalidade de Olivia porque ele tem um pouco dessas três mulheres