“Há cada vez mais publicações de quadrinhos da história” – Librópatas

imagem20-09-2018-12-09-12

Nós conversamos com Julián Olivares, editor e autor de Cascaborra Edições. No site da editora, criada no final de 2016, dizer que nós temos tão agradável e divertido espanhol de história militar, é o objetivo de Cascaborra, mas queremos saber mais sobre este projeto, e corajosa jovem que vai servir a dois anos.

– Como é que o Cascaborra Edições? Você em algum momento alguém disse a frase que qualquer pessoa que inicia um projeto de publicação de ouvir: “você está louco, é uma ideia bonita, mas não é rentável”?

A ideia de criar um rótulo seu próprio editorial nasce da recusa de muitos editores a publicar duas histórias em quadrinhos, dos quais eu sou o roteirista: Trafalgar, em 1805 e 1808 em Madrid. Ao encontrar as portas fechadas, começou a tomar forma a possibilidade de ter uma porta de seu próprio.

Quando a publicação do projecto não é mais do que uma ideia, sim, que eu escutei várias vezes esta frase. Alguns, ainda mais pessimista. Mas quando começamos a publicar, nós conhecemos um monte de gente animada com a idéia de desenvolver a coleção “História da Espanha em balas”. Prova disso são as campanhas de patrocínio com que sufragamos uma parte dos custos de produção, em que temos continuamente com o apoio de muitos clientes. Eles são o maior patrimônio que temos.

– Quem são os leitores de Cascaborra? Que público você está indo?

Não temos um público definido, e que penaliza-nos a promover as nossas publicações. Até à data, esta diversidade tem gerado alguma dor de cabeça, mas como temos de ir em frente com o projeto editorial, nós o vemos como algo positivo, uma vez que os potenciais clientes são multiplicados. O melhor de tudo é que muitos de nossos clientes são pais e filhos partilham a leitura. Que nos faz orgulhosos, e é uma das coisas que queremos manter, durante o desenvolvimento da coleção.

Na coleção “História da Espanha em vinhetas”, podemos encontrar títulos, tais como a de 1808 em Madri, Bernardo de Gálvez, Pensacola 1781… o Que batalhas ou eventos históricos que você quer dizer? Quão longe você gostaria de alcançar?

Não temos qualquer limite. Gostaria de obter todas as passagens relevantes da história militar de Espanha. Não são apenas os mais conhecidos, e também para aqueles que foram um pouco esquecidas. O principal objetivo da coleção é a divulgação, tendo em conta que a guerra não é o melhor cenário, procuramos levar vantagem por contar histórias de conteúdo variado. Nós nos colocamos na pele de personagens para refletir sobre o valor, a amizade, o amor, etc.

Temos em diferentes fases de produção de um bom punhado de histórias que o iran está vindo à luz nos próximos meses. Castelnuovo, Rocroi, O Rif, Numancia, Cuba, Ceuta, Granada, Teimoso, Bailén, Pavia e María Pita. E andar com o start-up de Guadalete, em San Quintín, Agustina de Aragón…

Propomos também a compra de direitos para os quadrinhos já publicados, seja no mercado nacional ou no mercado internacional. Trabalhamos com uma lista de títulos que estão perfeitamente adequado para a nossa linha editorial, e que, pouco a pouco, vamos tentar incorporar à coleção .

– Ilustrar de quadrinhos a história é complexa, como ele realiza o processo de documentação? Quais as fontes acudís? Que desafios são para ilustradores?

A documentação é o mais complexo e delicado de cada um dos projetos em que trabalhamos. Nós somos muito cuidadosos com uniformes, armas, estratégia, etc., Para alguns dos títulos que estamos desenvolvendo, temos especialistas do período em questão, informar os autores.

Apesar do que você pode dizer as pessoas, nem tudo está na internet, embora seja a ferramenta mais útil que podemos puxar. Cada autor tem suas próprias fontes. Em termos gerais, pode ser documentado com a paciência de qualquer passagem de solvente.

– Em que ponto está a história em quadrinhos históricos na Espanha? Você tem o seu espaço nos salões de quadrinhos e feiras do livro, ou este é um produto tão específico que você mover em outros círculos?

Tenho a sensação de que há cada vez mais publicações de quadrinhos da história. Lá sempre tem sido, foram nas lojas ao alcance de qualquer um, mas o número de títulos parece estar crescendo nos últimos anos.

Como uma história em quadrinhos, sim, que tem seu lugar em exposições e feiras. Mas a concorrência com super-heróis, zumbis, ou caracteres mundo conhecido de quadrinhos franco-belga é claramente favorável a estes últimos. Eu acho que é normal. Homem-aranha é conhecido em todo o mundo, mas personagens como Churruca, ou Valdivia, não tanto. Daí a relevância do desenvolvimento de um conjunto dessas características. Facilitar, por meio de um atraente formato, como os quadrinhos, o conhecimento da história.

Cascaborra lançamento de campanhas de patrocínio para a produção de suas histórias. Como surgiu essa ideia e qual uma recepção tem entre os leitores?

O patrocínio é a parte mais importante de renda que nós temos. Ele nos permite ser capaz de pagar os custos de impressão e distribuição para levar nossos livros de banda desenhada para livrarias de todo o país. Além disso, ele permite que sejamos capazes de pagar antecipadamente, e integra, a primeira edição de um dos nossos autores. E que não recebem remuneração por seu trabalho, sem a incerteza de vendas. Este é um aspecto importante, como uma estratégia de desenvolvimento, à medida que mais e mais autores chamam a nossa porta para nos oferecer projetos. Pouco a pouco, nós estamos começando a conhecê-los e eles sabem que o nosso financiamento método é confiável. Sem patrocínio, não seria possível a esta política.

-Em quase dois anos de vida editorial, o que tem sido a melhor coisa e a pior desde o início da aventura?

A melhor coisa, a ponto de que a aposta prestes a embarcar em um projeto como este não era uma quimera. Apesar de ainda não alcançaram os valores de vendas que nos permitem limpar finanças, após a aplicação do editorial, temos alcançado a estabilidade necessária para continuar a desenvolver novos projetos. É uma enorme satisfação pessoal.

O que é pior, pouca ou nenhuma colaboração que temos alcançado na administração pública.